A Árvore do Encanto

A Árvore do Encanto por Tord Boontje

Com seus ramos de metal trabalhados à mão, as folhas soldadas uma a uma e as anêmonas laqueadas em branco, Tord Boontje reinventou o ritual da degustação e criou um momento único Perrier-Jouët.

Em 1902, um espiral de anêmonas japonesas desenhado por Emile Gallé anunciava o surgimento de um movimento artístico,o Art Nouveau, simbólico de um desejo ao qual Perrier-Jouët manteve-se sempre fiel. Inspirado por esse icônico espiral de anêmonas, Tord Boontje desenhou uma árvore fluida, uma escultura de uma planta com anêmonas e taças de champagne como flores. Suspensas no ar para manter o frescor do champagne, elas banham os ramos dourados na luz, refletindo as gotas de água perolada no balde de gelo abaixo. Uma refinada e moderna criação Perrier-Jouët, trazendo um toque do sublime à degustação de um cuvée Belle Epoque.

Tord Boontje, um artista nascido em 1968 na Holanda, estudou design industrial na Design Academy em Eindhoven (1986-1991) e depois na Royal College of Art em Londres (1992-1994), antes de fundar seu próprio estúdio de design em 1996 em Londres. Ele retira sua inspiração da natureza e explora incessantemente a relação entre a natureza e a tecnologia: a associação com Perrier-Jouët foi, portanto, um casamento perfeito. 
"Tenho minhas ideias enquanto passeio na floresta e observo a forma como a luz e a natureza interagem", explica o designer, que se recusa a associar modernismo e minimalismo.